Siga o Blog, nas redes sociais

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Sei lá



Sei lá menina, tá tudo tão legal, e um legal tão batalhado, um legal merecido, de costas e pernas doendo, mas coração tranquilo.

Não puxo saco de ninguém, detesto que puxem meu saco também. Não faço amizades por conveniência, não sei rir se não estou achando graça. Odeio dois beijinhos, aperto de mão, tumulto, calor, gente burra e quem não sabe mentir direito.

Então uma voz que eu não ouvia há muito tempo, tanto tempo que quase não a reconheci (mas como poderia esquecê-la?), falou meu nome.

Quando você ainda nem entendeu direito o que aconteceu, ou o que não aconteceu, (...) vem alguém de repente e te dá um soco no estômago.

Veja só que coisa mais individualista elitista, capitalista, só queria ser feliz, cara.

Não, não sei o que gostaria que você me dissesse. Dorme, quem sabe, ou está tudo bem, ou mesmo esquece, esquece.

Bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Quem procura não acha. É preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada. Não há nada a ser esperado. Nem desesperado.

Caio F. Abreu

Eu entro nesse barco, é só me pedir.

Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou.
Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso
preciso saber se você vai também. Porque sozinha, não vou.
Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando
em torno de mim mesma.Mas olha, eu só entro nesse barco
se você prometer remar também!
Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes.
Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito,
vou todo dia pra academia. Mas você tem que prometer
que vai remar também, com vontade!
Mas você tem que remar também.
Eu desisto fácil, você sabe.
E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos,
mas eu entro nesse barco, é só me pedir.
Perco o medo de dirigir só pra atravessar
o mundo pra te ver todo dia.
Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir.
Mas a gente tem que afundar junto
e descobrir que é possível nadar junto.
Eu te ensino a nadar, juro!
Você tem que me prometer
que essa viagem não vai ser a toa,que vale a pena.
Que por você vale a pena.
Que por nós vale a pena.
Remar.
Re-amar.
Amar.

Caio F. Abreu

Existe sempre alguma coisa ausente.


Acho que a gente tem que vencer. Ou lutar. E ficar bem. Feliz. Criar. Fazer. Se mexer.

Vontade que você estivesse aqui e eu pudesse te mostrar muitas coisas, grandes, pequenas, e sem nenhuma importância, algumas.

eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você.

Um café e um amor. Quentes, por favor.

Coragem, às vezes, é desapego. É parar de se esticar, em vão, para trazer a linha de volta. (...) É aceitar doer inteiro até florir de novo.

Não era possível evitar por mais tempo uma onda que crescia, barrando todos os outros gestos e todos os outros pensamentos.

A verdade é que ainda hesito em dar um nome àquilo que ficou, depois de tudo. Porque alguma coisa ficou.

Então, que seja doce. Repito todas as manhãs, ao abrir as janelas para deixar entrar o sol.

Sinto uma falta absurda de você. Ficou um vazio que ninguém preenche. E penso e repenso e trapento em você aí… Tá tudo bem assim.

Caio F. Abreu

Ando meio fatigado de procuras inúteis e sedes afetivas insaciáveis."


"Meu coração tá ferido de amar errado."

"Acho espantoso viver, acumular memórias, afetos."

"É preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada. Não há nada a ser esperado. Nem desesperado."

"Tô exausto de construir e demolir fantasias. Não quero me encantar com ninguém."

"Quem diria que viver ia dar nisso?"

"Mas sempre me pergunto por que, raios, a gente tem que partir. Voltar, depois, quase impossível."

"Loucura, eu penso, é sempre um extremo de lucidez. Um limite insuportável."

"Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra."

"A gente se apertou um contra o outro. A gente queria ficar apertado assim porque nos completávamos desse jeito, o corpo de um sendo a metade perdida do corpo do outro."

Caio F Abreu

Quero colo



Exatamente assim. Pesada, sufocada. Ando com uma vontade tão grande de receber todos os afetos, todos os carinhos, todas as atenções.

Quero colo, quero beijo, quero cafuné, abraço apertado, mensagem na madrugada, quero flores, quero doces, quero música, vento, cheiros ... quero parar de me doar e começar a receber.

Sabe, eu acho que não sei fechar ciclos, colocar pontos finais. Comigo são sempre virgulas, aspas, reticências... eu vou gostando... eu vou cuidando, eu vou desculpando, eu vou superando, eu vou compreendendo, eu vou relevando, eu vou... e continuo indo, assim, desse jeito, sem virar páginas, sem colocar pontos... e vou... dando muito de mim, e aceitando o pouquinho que os outros tem para me dar.

Caio Fernando de Abreu

"Se me perguntarem como estou, eis a resposta:

Estou indo. Sem muita bagagem.
Pesos desnecessários causam sempre
dores desnecessárias.

Esvaziei a mala, olhei no fundo dela, limpei, e estou indo…
preenche-la com coisas novas.
Sensações novas, situações novas, pessoas novas.
Tudo novo."

(Caio Fernando Abreu)

BIBLIOTECAS MAIS LINDAS DO MUNDO:



Beinecke Rare Book and Manuscript Library, Yale University, New Haven, Estados Unidos

Inteiramente dedicada a manuscritos e livros raros, a Beinecke, da universidade de Yale, foi construída em 1963, de acordo com projeto de Gordon Bunshaft, do escritório Skidmore, Owings and Merrill – SOM. É a maior biblioteca do gênero no mundo, e uma das mais belas do mundo.
Foto: BIBLIOTECAS MAIS LINDAS DO MUNDO:
Beinecke Rare Book and Manuscript Library, Yale University, New Haven, Estados Unidos

Inteiramente dedicada a manuscritos e livros raros, a Beinecke, da universidade de Yale, foi construída em 1963, de acordo com projeto de Gordon Bunshaft, do escritório Skidmore, Owings and Merrill – SOM. É a maior biblioteca do gênero no mundo, e uma das mais belas do mundo.

Eu só vim lhe desejar um dia lindo


Com flores pelo caminho que você percorrer.
Com gente feliz ao seu redor.
Com chuvas de sorrisos e olhares que vem da alma.
Não importa se grande notícias não virão hoje.
Que também não venham as más.
Que seu dia seja de paz.
Que você esteja em paz.
E que você olhe os problemas de cima, e as pessoas
que você convive, com olho no olho.
Que as palavras do dia sejam "leveza",
"doçura", "calmaria", "tranquilidade".
E que as próximas horas sejam carregadas
de pensamentos positivos e muita paz no coração.
Só vim te desejar um ótimo dia.
Colorido e florido.
[Caio Fernando Abreu]

Homem bom

Homem bom é aquele que te joga na parede e
puxa o seu cabelo com jeito. Que consegue tirar
o seu fôlego com apenas um beijo. Que quando
coloca a mão na sua cintura te segure firme,
deixando passar pela sua cabeça que ele quer te
proteger, que ele te quer por perto. Então ele
se torna realmente homem, porque ele não grita
aos quatro cantos do mundo que ele te ama, ele
fala isso no seu ouvido, ou olhando firme em
seus olhos. Eles deixa transparescer o que sente
em simples gestos. Homem bom é aquele que te
faz sentir as melhores sensações, te dá os
melhores beijos, os melhores amassos, as
melhores mordidas, os melhores sonhos, os
melhores desejos, os melhores
momentos.Homem bom é aquele que te traz
segurança, paz, prazer, felicidade, e que te faz
sentir única.

Bob Marley, em 1981



 Já doente e sem os famosos dreds, o cantor foi fotografado lendo a Bíblia.

Em julho de 1977, Marley percebeu uma ferida no dedão de seu pé direito, que pensou ter sofrido durante uma partida de futebol. A ferida não cicatrizou, e sua unha posteriormente caiu enquanto ele jogava bola. Somente então foi diagnosticado corretamente. Marley na verdade sofria de uma espécie de câncer de pele, um melanoma maligno que se desenvolveu sob sua unha. Os médicos o aconselharam a ter o dedo amputado, mas Marley recusou-se devido aos princípios rastafaris. Ele também estava preocupado com o impacto da operação em sua dança: a amputação afetaria profundamente sua carreira no momento em que se encontrava no auge. Marley então passou por uma cirurgia para tentar extirpar as células cancerígenas. A doença foi mantida em segredo do público.

De acordo com seu filho Ziggy Marley, Bob se converteu ao cristianismo meses antes de morrer. O motivo seria o de que, segundo a religião rastafári, o corpo é um templo sagrado e por isso retirar o câncer seria errado. Marley teria descoberto muitas coisas semelhantes entre o rastafarianismo e o cristianismo e decidiu que seu corpo deveria ser cuidado.

Entretanto, o câncer espalhou-se para seu cérebro, pulmão e estômago. Durante uma turnê em 1980, numa tentativa de se consolidar no mercado norte-americano, Marley desmaiou enquanto corria no Central Park de Nova Iorque. A doença o impediu de continuar com a grande turnê agendada. Marley procurou ajuda, e decidiu ir para Munique para tratar-se com o controverso especialista Josef Issels por vários meses, não obtendo resultados.

A primeira medida de Dr Issels foi raspar os dreadlocks de Marley. O tratamento, segundo amigos de Bob que o viram de perto, parecia mais com várias e incansáveis sessões de tortura. Dr. Issels enfiava agulhas gigantescas em pontos especialmente sensíveis do corpo do cantor, sem nenhuma aparente utilidade, e o deixava sofrendo durante horas, saindo calmamente da sala. Deixava-o sem comer durante dias. Nenhuma explicação era dada. Na época em que Marley morreu, seu corpo estava tão fraco que qualquer chance de cura que poderia ter existido antes estava fora de cogitação. Mais tarde foi descoberto que o Dr. Issels era na verdade um médico nazista, pupilo do famigerado Dr. Joseph Menguele, O Anjo da Morte.

Um mês antes de sua morte, Bob Marley foi premiado com a "Ordem ao Mérito" jamaicana. O cantor desejava passar seus últimos dias em sua terra natal, mas a doença se agravou e Marley teve de ser internado em Miami. Ele faleceu no hospital Cedars of Lebanon, no dia 11 de maio de 1981 em Miami, Flórida, aos 36 anos. Seu funeral na Jamaica foi uma cerimônia digna de chefes de estado, com elementos combinados da religião Ortodoxa da Etiópia e do Rastafari. Ele foi enterrado em uma tumba em Nine Miles, perto de sua cidade natal.

Fonte: Documentário Time Will Tell

Bob Marley, em 1981. Já doente e sem os famosos dreds, o cantor foi fotografado lendo a Bíblia.

Em julho de 1977, Marley percebeu uma ferida no dedão de seu pé direito, que pensou ter sofrido durante uma partida de futebol. A ferida não cicatrizou, e sua unha posteriormente caiu enquanto ele jogava bola. Somente então foi diagnosticado corretamente. Marley na verdade sofria de uma espécie de câncer de pele, um melanoma maligno que se desenvolveu sob sua unha. Os médicos o aconselharam a ter o dedo amputado, mas Marley recusou-se devido aos princípios rastafaris. Ele também estava preocupado com o impacto da operação em sua dança: a amputação afetaria profundamente sua carreira no momento em que se encontrava no auge. Marley então passou por uma cirurgia para tentar extirpar as células cancerígenas. A doença foi mantida em segredo do público.

De acordo com seu filho Ziggy Marley, Bob se converteu ao cristianismo meses antes de morrer. O motivo seria o de que, segundo a religião rastafári, o corpo é um templo sagrado e por isso retirar o câncer seria errado. Marley teria descoberto muitas coisas semelhantes entre o rastafarianismo e o cristianismo e decidiu que seu corpo deveria ser cuidado.

Entretanto, o câncer espalhou-se para seu cérebro, pulmão e estômago. Durante uma turnê em 1980, numa tentativa de se consolidar no mercado norte-americano, Marley desmaiou enquanto corria no Central Park de Nova Iorque. A doença o impediu de continuar com a grande turnê agendada. Marley procurou ajuda, e decidiu ir para Munique para tratar-se com o controverso especialista Josef Issels por vários meses, não obtendo resultados.

A primeira medida de Dr Issels foi raspar os dreadlocks de Marley. O tratamento, segundo amigos de Bob que o viram de perto, parecia mais com várias e incansáveis sessões de tortura. Dr. Issels enfiava agulhas gigantescas em pontos especialmente sensíveis do corpo do cantor, sem nenhuma aparente utilidade, e o deixava sofrendo durante horas, saindo calmamente da sala. Deixava-o sem comer durante dias. Nenhuma explicação era dada. Na época em que Marley morreu, seu corpo estava tão fraco que qualquer chance de cura que poderia ter existido antes estava fora de cogitação. Mais tarde foi descoberto que o Dr. Issels era na verdade um médico nazista, pupilo do famigerado Dr. Joseph Menguele, O Anjo da Morte.

Um mês antes de sua morte, Bob Marley foi premiado com a "Ordem ao Mérito" jamaicana. O cantor desejava passar seus últimos dias em sua terra natal, mas a doença se agravou e Marley teve de ser internado em Miami. Ele faleceu no hospital Cedars of Lebanon, no dia 11 de maio de 1981 em Miami, Flórida, aos 36 anos. Seu funeral na Jamaica foi uma cerimônia digna de chefes de estado, com elementos combinados da religião Ortodoxa da Etiópia e do Rastafari. Ele foi enterrado em uma tumba em Nine Miles, perto de sua cidade natal.

Fonte: Documentário Time Will Tell

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

De Um e de Dois, de Todos



Sou o espectador o actor e o autor
Sou a mulher o marido e o filho
E o primeiro amor e o derradeiro amor
E o furtivo transeunte e o amor confundido

E de novo a mulher seu leito e seu vestido
E seus braços partilhados e o trabalho do homem
E seu prazer em flecha e a fêmea ondulação
Simples e dupla a carne nunca se exila

Pois onde começa um corpo ganho eu forma e
[consciência
E mesmo quando na morte um corpo se desfaz
Eu repouso em seu cadinho desposo o seu
[tormento
Sua infâmia me honra o coração e a vida.

Paul Eluard, in "Algumas das Palavras"

Mendiga


Na vida nada tenho e nada sou;
Eu ando a mendigar pelas estradas...
No silêncio das noites estreladas
Caminho, sem saber para onde vou!

Tinha o manto do sol... quem mo roubou?!
Quem pisou minhas rosas desfolhadas?!
Quem foi que sobre as ondas revoltadas
A minha taça de oiro espedaçou?!

Agora vou andando e mendigando,
Sem que um olhar dos mundos infinitos
Veja passar o verme, rastejando...

Ah, quem me dera ser como os chacais
Uivando os brados, rouquejando os gritos
Na solidão dos ermos matagais!...

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

Balada do Amor através das Idades



Eu te gosto, você me gosta
desde tempos imemoriais.
Eu era grego, você troiana,
troiana mas não Helena.
Saí do cavalo de pau
para matar seu irmão.
Matei, brigámos, morremos.

Virei soldado romano,
perseguidor de cristãos.
Na porta da catacumba
encontrei-te novamente.
Mas quando vi você nua
caída na areia do circo
e o leão que vinha vindo,
dei um pulo desesperado
e o leão comeu nós dois.

Depois fui pirata mouro,
flagelo da Tripolitânia.
Toquei fogo na fragata
onde você se escondia
da fúria de meu bergantim.
Mas quando ia te pegar
e te fazer minha escrava,
você fez o sinal-da-cruz
e rasgou o peito a punhal...
Me suicidei também.

Depois (tempos mais amenos)
fui cortesão de Versailles,
espirituoso e devasso.
Você cismou de ser freira...
Pulei muro de convento
mas complicações políticas
nos levaram à guilhotina.

Hoje sou moço moderno,
remo, pulo, danço, boxo,
tenho dinheiro no banco.
Você é uma loura notável,
boxa, dança, pula, rema.
Seu pai é que não faz gosto.
Mas depois de mil peripécias,
eu, herói da Paramount,
te abraço, beijo e casamos.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Alguma Poesia'

Ela Canta, Pobre Ceifeira


Ela canta, pobre ceifeira,
Julgando-se feliz talvez;
Canta, e ceifa, e a sua voz, cheia
De alegre e anônima viuvez,

Ondula como um canto de ave
No ar limpo como um limiar,
E há curvas no enredo suave
Do som que ela tem a cantar.

Ouvi-la alegra e entristece,
Na sua voz há o campo e a lida,
E canta como se tivesse
Mais razões pra cantar que a vida.

Ah, canta, canta sem razão!
O que em mim sente ‘stá pensando.
Derrama no meu coração a tua incerta voz ondeando!

Ah, poder ser tu, sendo eu!
Ter a tua alegre inconsciência,
E a consciência disso! Ó céu!
Ó campo! Ó canção! A ciência

Pesa tanto e a vida é tão breve!
Entrai por mim dentro!
Tornai Minha alma a vossa sombra leve!
Depois, levando-me, passai!

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Nada Nos Falta, porque Nada Somos



Ao longe os montes têm neve ao sol,
Mas é suave já o frio calmo
Que alisa e agudece
Os dardos do sol alto.

Hoje, Neera, não nos escondamos,
Nada nos falta, porque nada somos.
Não esperamos nada
E temos frio ao sol.

Mas tal como é, gozemos o momento,
Solenes na alegria levemente,
E aguardando a morte
Como quem a conhece.

Ricardo Reis, in "Odes"
Heterónimo de Fernando Pessoa

Elegia



A alegria da vida, essa alegria d'oiro
A pouco e pouco em mim vai-se extinguindo, vai...
Melros alegres de bico loiro,
Ó melros negros, cantai, cantai!

Ando lívido, arrasto o pobre corpo exangue,
Que era feito da luz das claras madrugadas...
Rosas vermelhas da cor do sangue,
Rosas abri-vos às gargalhadas!

Limpidez virginal, graça d'Anacreonte,
Mimo, frescura, força, onde é que estais?... não sei!...
Ó águas vivas, águas do monte,
Ó águas puras, correi, correi!

Eu sinto-me prostrado em lânguido desmaio,
E a minha fronte verga exausta para o chão...
Cedros altivos, sem medo ao raio,
Cedros erguei-vos pela amplidão!

Guerra Junqueiro, in 'Poesias Dispersas'

Este é o Papel Singular da Alegria



Este é o papel singular da alegria
a lei errante do país
é o maior dos silêncios.

Caminhei por entre rios pontos de água
estações de novembro
pequena razão dos ventos da manhã.

Não trafiquei não porque seja forte
mas porque falo da alegria do estar sobre vós
nestes pontos de água
na acidez da flor
neste país frequentado

algumas coisas nunca mudarão. O rigor
da luz torna invulnerável o desejo de perder
esta pressa de verão.

Algumas coisas serão sempre as mesmas: manhã
encosta o teu ouvido sobre a porta escuta
era a voz os cavaleiros roubados a Ucello
longínquos.

(Profanamos a casa não o corpo
esta forma desenhada ruga a ruga
esta cor amarela sobre a praia.)

João Miguel Fernandes Jorge, in "Vinte e Nove Poemas"

Alegria



De passadas tristezas, desenganos
amarguras colhidas em trinta anos,
de velhas ilusões,
de pequenas traições
que achei no meu caminho...,
de cada injusto mal, de cada espinho
que me deixou no peito a nódoa escura

duma nova amargura...
De cada crueldade
que pôs de luto a minha mocidade...
De cada injusta pena
que um dia envenenou e ainda envenena
a minha alma que foi tranquila e forte...
De cada morte
que anda a viver comigo, a minha vida,
de cada cicatriz,
eu fiz
nem tristeza, nem dor, nem nostalgia
mas heróica alegria.

Alegria sem causa, alegria animal
que nenhum mal
pode vencer.
Doido prazer
de respirar!
Volúpia de encontrar
a terra honesta sob os pés descalços.

Prazer de abandonar os gestos falsos,
prazer de regressar,
de respirar
honestamente e sem caprichos,
como as ervas e os bichos.
Alegria voluptuosa de trincar
frutos e de cheirar rosas.

Alegria brutal e primitiva
de estar viva,
feliz ou infeliz
mas bem presa à raíz.

Volúpia de sentir na minha mão,
a côdea do meu pão.
Volúpia de sentir-me ágil e forte
e de saber enfim que só a morte
é triste e sem remédio.
Prazer de renegar e de destruir
o tédio,

Esse estranho cilício,
e de entregar-me à vida como a
um vício.

Alegria!
Alegria!
Volúpia de sentir-me em cada dia
mais cansada, mais triste, mais dorida
mas cada vez mais agarrada à Vida!

Fernanda de Castro, in "D'Aquém e D'Além Alma"

Hino à Alegria

Tenho-a visto passar, cantando, à minha porta,
E às vezes, bruscamente, invadir o meu lar,
Sentar-se à minha mesa, e a sorrir, meia morta,
Deitar-se no meu leito e o meu sono embalar.

Tumultuosa, nos seus caprichos desenvoltos,
Quase meiga, apesar do seu riso constante,
De olhos a arder, lábios em flor, cabelos soltos,
A um tempo é cortesã, deusa ingénua ou bacante...

Quando ela passa, a luz dos seus olhos deslumbra;
Tem como o Sol de Inverno um brilho encantador;
Mas o brilho é fugaz, — cintila na penumbra,
Sem que dele irradie um facho criador.

Quando menos se espera, irrompe de improviso;
Mas foge-nos também com uma presteza igual;
E dela apenas fica um pálido sorriso
Traduzindo o desdém duma ilusão banal.

Onda mansa que só à superfície corre,
Toda a alegria é vã; só a Dor é fecunda!
A Dor é a Inspiração, louro que nunca morre,
Se em nós crava a raiz exaustiva e profunda!

No entanto, eu te saúdo e louvo, hora dourada,
Em que a Alegria vem extinguir, de surpresa,
Como chuva a cair numa planta abrasada,
A fornalha em que a Dor se transmuta em Beleza!

Pensar, é certo, eleva o espírito mais alto;
Sofrer torna melhor o coração; depura
Como um crisol: a chispa irrompe do basalto,
Sai o oiro em fusão da escória mais impura.

A Alegria é falaz; só quem sofre não erra,
Se a Dor o eleva a Deus, na palavra que O louve;
A Alma, na oração, desprende-se da terra;
Jamais o homem é vão diante de Deus que o ouve!

E contudo, — ilusão!—basta que ela sorria,
Basta vê-la de longe, um momento, a acenar,
Vamos logo em tropel, no capricho do dia,
Como ébrios, evoé! atrás dela a cantar!

Mas se ela, de repente, ao nosso olhar se furta,
Todo o seu brilho é pó que anda no sol disperso;
A Alegria perfeita é uma aurora tão curta,
Que mal chega a doirar as cortinas do berço.

Às vezes, essa luz, de tão frágil encanto,
Vem ainda banhar certas horas da Vida,
Como um íris de paz numa névoa de pranto,
Crepitação, fulgor duma estrela perdida.

Então, no resplendor dessa aurora bendita,
Toma corpo a ilusão, e sem ânsias, sem penas,
O espírito remoça, o coração palpita
Seja a nossa alma embora uma saudade apenas!

Mas efémera ou vã, a Alegria... que importa?
Deusa ingénua ou bacante, o seu riso clemente,
Quando, mesmo de longe, ecoa à nossa porta,
Deixa em louco alvoroço o coração da gente!

Momentânea ou falaz, é sempre um dom divino,
Sol que um instante vem a nossa alma aquecer...
Pudesse eu celebrar teu louvor no meu Hino!
Momentâneo, falaz encanto de viver!

O teu sorriso enxuga o pranto que choramos,
E eu não sei traduzir a ventura que exprimes!
Nesta sentimental língua que nós falamos,
Só a Dor e a Paixão têm acordes sublimes!

António Feijó, in 'Sol de Inverno'

Ontem A Noite

Ontem a noite depois de  um belo dia de natal conversando com meus parentes ali do lado, olhando este céu  maravilhoso me deparei com a beleza da Lua, mas não foi só este grande astro que me chamou atenção, mas uma estrela que esta atrás dela , que aparentemente não achei muito interessante.
Foi depois de alguns minutos que comecei a reparar em sua beleza que mesmo parecendo um ponto brilhante vi que não era apenas uma estrela,pois era muito mas bela e tinha um brilho especial, só no outro dia que vendo no Facebook,  as noticias que soube que não era apenas uma estrela , mas Júpiter um outro planeta que por acaso fez o meu natal e de minha família e de muitos outras pessoas que viram este  grande atro mostrando toda sua beleza e não apenas mostrando como a nossa constelação é bela, mas mostrando como o Natal é uma data especial , pois além de unir nossas famílias, ela ainda tem o poder de fazer nós pararmos como os personagens principais de Clarice Lispector , o famoso momento em que os personagens param e começa a pensar sobre sua vida e se se tudo aquilo que ela está fazendo realmente vale apena e com migo não foi diferente tive este mesmo momento e no fundo do meu coração vi que a vida é bela e agradeci a Deus, por esta data tão especial que é o natal , pois não é apenas um momento de união e confraternização e sim um momento em que paramos para pensar na vida e agradecer por cada dia que estarmos vivos e poder viver e apreciar as belezas que aparentemente não vimos, mas quando pararmos para pensar faz uma enorme diferença ..... 
Este pequeno ponto que me fez meu natal ser tão especial



 Escrito por Alex Lopes Ozorio, este cara que posta estas postagens muito loucas ..... 

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Especial de Natal com OzorioAlex.blogspot.com.br


Galera vejam este Vídeo que preparei para vocês é muito legal vale apena ver 

Árvore do coração



Quisera Senhor, neste

Natal armar uma árvore dentro do meu coração

e nela pendurar,

em vez de presentes os nomes de todos os meus amigos.

Os antigos e os mais recentes.

Aqueles que vejo a cada dia e os que raramente encontro.

Os sempre lembrados e os que às vezes ficam esquecidos.

Os constantes e os intermitentes.

Os das horas difíceis e os das horas alegres.

Os que sem querer eu magoei, ou sem querer me magoaram.

Aqueles a quem conheço profundamente e aqueles a quem conheço apenas as aparências.

Os que pouco me devem e aqueles a quem muito devo.

Meus amigos humildes e meus amigos importantes.

Os nomes de todos que já passaram por minha vida.

Uma árvore de raiz muito profunda para que seus nomes nunca mais sejam arrancados do meu coração.

De ramos muito extensos, para que novos nomes vindos de todas as partes venham juntar-se aos existentes.

De sombras muito agradáveis para que nossa amizade seja um aumento de repouso nas lutas da vida.

Que o Natal esteja vivo em cada dia do ano que se inicia, para que possamos viver juntos o amor.

Para você

Feliz Natal! 
Você é um Cliente Especial!
 Pelo muito que você tem
 representado para nós, queremos
 dedicar a você os melhores votos de um 
Natal e Ano Novo,
 repleto de realizações, amor, 
paz e muito carinho. 
Que nós possamos continuar 
na emoção de levar emoção, de
desejar
felicidades,
 de reconciliar sentimentos,
 de encurtar distâncias através
 das palavras que juntas formam
 mensagens que agora dedicamos a você.
 Desejamos que nesta data,
 a luz que guia o mundo, possa 
também clarear os seus sonhos. 
Tenha um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo, 
que os anjos acampem ao seu
 redor para sempre te proteger,
 amparar nessa longa caminhada da vida
, para que o caminho seja repleto de flores e frutos. 
Estamos felizes com o nosso trabalho, 
pois a cada dia fazemos novos amigos,
 a cada dia aparecem mais 
pessoas encantadoras como você.
 Feliz Natal e um 2013,
 repleto de conquistas,
 é o que nós, desejamos a você.

Alegria e esperança

Este foi um ano de alegrias, 
tristezas, realizações. 
Mas o mais importante é refletir sobre
 os acontecimentos, a 
jornada do dia-a-dia e, concluir ao final,
 que tivemos um saldo de
 crescimento e aprendizado.
 Agradecemos a todos funcionários
 por um ano de trabalho, cooperação,
 confiança e dedicação. 
Desejamos que este Natal
 seja o início da construção
 de um caminho de amor,
 alegria e de esperança.
 Feliz Natal e Ano Novo!

Paz

Caixas de tamanhos diversos, 
cores mil,
 laços bordados em
 todos os extremos,
 Vitrines com cenários Natalinos, 
com o verde acenando a esperança
 Rumo à vidas sem dores e guerras
 As fitas dos presentes se 
desembrulham, caem livremente,
 como na dança de um corpo ritmado
 O espírito do amor baila pelos ares,
 exalando a pétala da bondade
 Suave e profunda, acaricia os 
rostos embriagados pela desilusão 
Os espinhos são contemplados
 por olhares profundos
 Mesclam-se nas pétalas que formam
 pedaços de flores
 Unidos em só canção 
Nas vozes trêmulas de anjos 
Gotejam a alma faceira 
De um mundo mais harmônico
 Celebrando a aspirante PAZ.

Estrela Guia

Caia do céu estrelinha
 Caia aqui no meu quintal 
Seja minha companhia 
Nesta noite de Natal 
Caia logo estrelinha 
Estrelinha aí do céu
 Nos convide com magia
 Para ver Papai Noel
 E depois, minha estrelinha, 
Ilumine os olhos meus
 Traga toda alegria
 Pra noite do menino Deus.

O Sino

O sino da minha aldeia,
 Dolente na tarde calma,
 Cada tua badalada 
Soa dentro de minha alma.
 E é tão lento o teu soar, 
Tão como triste da vida, 
Que já a primeira pancada 
Tem o som de repetida. 
Por mais que me tanjas perto
 Quando passo, sempre errante,
 És para mim como um sonho. 
Soas-me na alma distante. 
A cada pancada tua, 
Vibrante no céu aberto,
 Sinto mais longe o passado, 
Sinto a saudade mais perto.

Faça como a Águia



Quando as tempestades da vida
Surgem escuras à minha frente,
Me recordo de maravilhosas palavras
Que uma vez eu li.
E digo a mim mesmo:
Quando pairarem nuvens ameaçadoras,
Não dobre suas asas
E não fuja para o abrigo.
Mas, faça como a águia,
Abra largamente as suas asas
E decole para bem alto,
Acima dos problemas que a vida traz.
Pois a águia sabe
Que quanto mais alto voar,
Mais tranqüilos e mais brilhantes
Tornam-se os céus.
E não há nada na vida
Que Deus nos peça para carregar
Que nós não possamos levar planando
Com as asas da oração.
E ao olhar para trás
Verá que a tempestade passou,
Você encontrará novas forças
E ganhará coragem também.

Para Isso Fomos Feitos

Vinicius de Moraes

Para isso fomos feitos:

Para lembrar e ser lembrados

Para chorar e fazer chorar

Para enterrar os nossos mortos

Por isso temos braços longos para os adeuses

Mãos para colher o que foi dado

Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:

Uma tarde sempre a esquecer

Uma estrela a se apagar na treva

Um caminho entre dois túmulos

Por isso precisamos velar

Falar baixo, pisar leve, ver

A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:

Uma canção sobre um berço

Um verso, talvez de amor

Uma prece por quem se vai

Mas que essa hora não esqueça

E por ela os nossos corações

Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:

Para a esperança no milagre

Para a participação da poesia

Para ver a face da morte

De repente nunca mais esperaremos...

Hoje a noite é jovem; da morte, apenas Nascemos, imensamente.

Poema de Natal

Fernando Pessoa

Natal... 
Na província neva.
 Nos lares aconchegados,
 Um sentimento conserva 
Os sentimentos passados.
 Coração oposto ao mundo, 
Como a família é verdade ! 
Meu pensamento é profundo
, Estou só e sonho saudade.
 E como é branca de graça
 A paisagem que não sei, 
Vista de trás da vidraça 
Do lar que nunca terei!

sábado, 22 de dezembro de 2012

Pede ajuda

Pede ajuda, a nosso bom Deus pra trabalhar
E trabalha pra sua família sustenta

Corre ali, limpa La, sem ter uma trégua a descansar
Vai pra La, vem pra Ca, sempre um patrão a reclamar

Na segunda feira ele vai trabalhar,
Com a cabeça erguida mais sem descansar.
E não marca bobeira e nem mesmo faz cera
...bis
?pra continuar?
E na hora do almoço uma hora sagrada
Ele pega a panela e vem fazendo a batucada...
E o bicho pega, ele não nega, ele se entrega - quando
a rapaziada começa a cantar

REFRÃO
E já deu sua hora e sem olhar pra traz
Ele corre pro ponto sempre duas horas a mais a lotação
lotada, gente sempre indignada

?Amanhã é outro dia... e tem muito mais?
E ao chegar a casa querendo respeito
Sua mulher, gritando CADÊ O DINHEIRO DO EMPREGO?
Ele descobre não importa o que aconteça é no
serviço...
Que tem mais sossego.

Willians Marques

Venho somente, agradecer.

Primeiro a Deus, por me permitir estar aqui.
Depois a minha família, por me apoiar a estar aqui.
Aos meus dirigentes por me confiarem continuar aqui.
E a todos os meus colegas de trabalhos por me suportar até aqui.

Bom Pessoal,

Posso classificar que este ano que termina como um ano maravilhoso. Um ano onde foi possível realizar vários sonhos e um ano em que todos nós estivemos rodeados de saúde e paz.
Isso é importante. Aliás, isso não é somente importante, é primordial.
Aproveito para pedir desculpas pelos momentos que estive ausente ou que não me foi possível atendê-los. Mil perdões.

Gostaria de desejar a todos vocês um Ano Novo de saúde plena, de humor inigualável e uma disposição sem precedentes.
Que este ano de 2013 não seja simplesmente mais um ano e sim o ANO DE NOSSAS VIDAS.

Cláudio M. Assunção

A cebola e a arvore de natal.


Uma família feliz esta a mesa de jantar quando o filho faz uma pergunta:
-Pai,quantos tipos de seios existem?
O pai surpreso responde:
Bem,existem três tipos de seios.Aos 20 anos a mulher tem seios como melões firmes e pontiagudos. Aos 30 e aos 40 eles são como peras,ainda belos,porem um pouco caídos ..Aos 50 anos os seios ficam como cebolas...
Como assim?
Sim filho,quando você olha pra eles fica com vontade de chorar.
Depois dessa resposta,a filha é quem pergunta para a mãe:
-Man,quantos tipos de tênis existem?
A mãe olha para o marido e responde:
Bem filhinha,um homem passa por três fases bem distintas.Aos 20 anos o tênis é como um pé de cana, respeitável e firme.Dos 30 aos 40 anos o tênis é como uma banana, Flag mas comestível.
Pois os 50 anos o tênis fica como uma arvore de natal.
-Como assim?
A mãe responde:
Morto da raiz ate a ponta e as bolas ficam penduradas como decoração,e o pior a gente monta so uma vez por ano pra termos um natal feliz.

Fopenze

Uma força


A força do sonho menino.
É suor que aflora no seio da família.
Nasce também, na escola e na briga do jogo de bola.
A inspiração do Criador forjando seu espírito,
Despertando-lhe uma LUZ que lhe impulsiona a alma.
- Dirigi seus passos, meu Senhor!
Grita a mãe em oração...
E ELE revela as ferramentas certas à medida que a jornada avança.
As mãos,
Vão ganhando destreza e habilidade.
Os braços,
Finos, já mostram alguma musculosidade.
As pernas e o tronco,
Transformaram o menino de cabelo castanho,
Criando com o tempo, o primeiro fio branco.
A certeza do sonho, do ontem menino, empurra-o à frente,
Mostrando que as marcas da mão
Vão também no coração.
Os olhos,
Revelaram-lhe cores e dores de uma longa caminhada,
Do qual o menino de ontem e o homem de hoje,
Construíram juntos de um sonho,
A própria realidade.

Carlos Vitor dos Santos Mailart.'.

FASES


Todos nós passamos por fases de carências,

Carência de amigos, da família, de um namorado, de trabalho,enfim, nós sentimos falta de algo ou alguém,

E quando estamos nessa fase, ficamos muito fragilizados e sensíveis as coisas que acontecem ao nosso redor.

Quando o dia está lindo com sol brilhando, sentimos falta de nossos amigos e familiares.

Quando o dia está chuvoso e frio, sentimos falta de alguém para ficarmos bem agarradinhos,

Quando nos sentindo inúteis, sentimos falta de um trabalho,

Sempre estamos procurando algo que nos complete,mas e nem sempre temos tudo ao mesmo tempo e quando temos, não dura por muito tempo.

Com o tempo aprendi que as coisas que sentimos falta servem para darmos valor e nunca desistir de encontrar a felicidade e de conquistar nossos sonhos, mesmo que sejam os mais loucos.

Com o tempo aprendi, que a maior felicidade se encontra nas pequenas coisas e nos pequenos gestos.

Um simples sorriso representa uma grande riqueza e um grande amor torna-se algo impagável,

Temos que sempre ir em busca de nossos objetivos e nunca desistirmos quando nos sentirmos fragilizados e carentes.

Priscila Souza

Moça Linda Bem Tratada


Moça linda bem tratada,
Três séculos de família,
Burra como uma porta:
Um amor.

Grã-fino do despudor,
Esporte, ignorância e sexo,
Burro como uma porta:
Um coió.

Mulher gordaça, filó,
De ouro por todos os poros
Burra como uma porta:
Paciência...

Plutocrata sem consciência,
Nada porta, terremoto
Que a porta do pobre arromba:
Uma bomba
.

Mario de Andrade

A fotografia


Apaixonei-me por tua fotografia
Você estava lindo junto à tua família
Teu braço aberto parecia mais uma carícia

Vindo em minha direção com toda acrobacia
Teu olho lindo e castanho parecia que lia
A minha face que quase desfalecia

Com tanta beleza de uma simples fotografia
Tirada a muito tempo em um esquecido dia
Quando você me dava total regalia

Hoje, foge da minha carícia
E esquece que já foi meu um dia
E tenta fazer do meu amor utopia

Agora trata-me com desdém,
Mas outrora já fui teu o bem
E do meu amor você foi refém.

Sol pereira

SE UMA CRIANÇA CONVIVE:


01)-Com a crítica, aprende a condenar.
02)-Com a hostilidade, aprende a ferir.
03)-Com a zombaria, aprende a ser tímida.
04)-Com a vergonha, aprende a se sentir culpada.

MAS, SE A CRIANÇA CONVIVE:

05)-Com a tolerância, aprende a ser paciente.
06)-Com o encorajamento, aprende a ser confiante.
07)-Com o louvor, aprende a apreciação.
08)-Com a imparcialidade, aprende a ser justa.
09)-Com a segurança, aprende a ter fé.
10)-Com a aprovação, aprende a gostar de si própria.
11)-Com a aceitação e a amizade, aprende a encontrar o amor.


Do livro Amor e Vida em Família,de Geziel Andrade, Editora EME.

Pascoa



Páscoa do Senhor, Páscoa da vida,
sonho realizado na fidelidade
e no amor.

Este é o dia de Cristo, o Senhor!

O anúncio pascal, hoje, ressoa vibrante:
O Senhor ressuscitou, venceu a morte
e vive para sempre!

Nasce imortal, a humanidade nova!

Com as santas mulheres,
vamos ao túmulo vazio
e nos tornemos
testemunhas
da ressurreição.

Família Passionista no Brasil.

PRIMEIRO AMOR


Hoje eu descobri
Uma coisa que ha no mundo
E tocou meu coração bem la no fundo
Acho que é paixão
Talvez seja profundo
Eu só sei que ela é meu próprio mundo
Sabe!
O que?
Ela é meu grande amor
Então me diga o que nela te tocou
É o olhar de princesa ao luar
Desta vez eu saberei o que é o amor
Sabe!
O que?
Ela é meu grande amor
Então me diga o que nela te tocou?
O que
Não consigo te deixar
Despertaste o meu amor
Quero te amar
Sabe
O que ela é meu grande amor
Então me diga oque nela te tocou
Acho qu é paixão
Talvez seja mais profundo
Eu so sei que tu és meu próprio mundo
Sabe?
O que
Não consigo te deixar
Despertaste o meu amor
Despertaste o meu amor
Despertaste o meu amor, quero te amar.

Lucas S Lima Allen C Lima \familia Lima

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Origem de algumas palavras e expressões


RODAR A BAIANA – Quando alguém recorre a essa expressão, é sinal que fai fazer um escândalo público, reagir com estardalhaço ou soltar tudo que vier à cabeça. Mas essa expressão não tem origem na Bahia, e sim no Rio de Janeiro. É que no inicio do século 20, os integrantes dos blocos de carnaval saiam fantasiados pelas ruas, cantando e dançando. Alguns espectadores, aproveitando a euforia geral, passavam a mão nas bundas das moças que desfilavam. Para acabar com isso, alguns capoeiristas passaram a se fantasiar de baiana e a amarrar lâminas de navalha na barra de suas saias. E, quando eles viam coisas do tipo, rodavam a baiana, levantando as saias e retalhando quem estivesse por perto. As pessoas só viam a baiana rodar e começar a confusão.


BADERNA - Uma bailarina de nome Marietta Baderna fazia muito sucesso no Teatro Alla Scalla, de Milão. Ao apresentar-se no Brasil, em 1851, causou frisson entre seus fãs, logo apelidados de “os badernas”. O sobrenome da artista, de comportamento liberal demais para os padrões da época, deu origem ao termo que significa confusão, bagunça.

SANTO DO PAU OCO – No começo do século XVIII, a Coroa Portuguesa cobrava o Quinto, um imposto muito alto sobre o ouro extraído das minas. Os mineradores de Minas Gerais então, mandavam fazer santos ocos de madeira para poder esconder ouro dentro deles e assim poder escapar dessas cobranças. A grande religiosidade do povo impedia que os guardas das barreiras quebrassem as imagens para ver o que havia dentro. Esta foi a maneira encontrada na época para burlar o Quinto. A expressão se refere portanto aquela que não é nenhum santo.

SEM EIRA NEM BEIRA - Os telhados de antigamente possuíam eira e beira, detalhes que conferiam status ao dono do imóvel. Possuir eira e beira era sinal de riqueza e de cultura. Estar sem eira nem beira significa que a pessoa é pobre e não tem sustentáculo no raciocínio.


ABRAÇO DE URSO - Um abraço significa demonstração de amizade e afeto. Já a expressão significa puro fingimento ou traição. É que é da natureza do urso fazer isso, só que, nessa hora, ele prepara é um ataque que pode levar a pessoa abraçada à morte.


ANDAR À TOA - Toa é a corda com que uma embarcação reboca a outra. Um navio que está "à toa" é o que não tem leme nem rumo, indo para onde o navio que o reboca determinar. O significado da expressão, por conseguinte, é andar sem destino, despreocupado, passando o tempo. Ou então uma pessoa sem determinação, que é comandada pelos outros.

TIRAR O CAVALO DA CHUVA - No século XIX, quando uma visita iria ser breve, ela deixava o cavalo ao relento em frente à casa do anfitrião e se fosse demorar, colocava o cavalo nos fundos da casa, em um lugar protegido da chuva e do sol. Contudo, o convidado só poderia deixar o animal assim protegido se o anfitrião percebesse que a visita estava boa e dissesse: “pode tirar o cavalo da chuva”. Depois disso, a expressão passou a significar a desistência de alguma coisa.

VAI DAR ZEBRA – A zebra não figura entre os 25 bichos do jogo do bicho. Mas em 1964, um treinador de futebol muito galhofeiro garantiu a todos os repórteres que, naquele ano, a Portuguesa seria a campeã carioca de futebol. “Vai dar zebra”, dia ele. Os repórteres adoraram a brincadeira e o termo, passando a divulgá-lo, tanto no esporte quanto na política ou em qualquer acontecimento inesperado.


GANDULA – Bernardo Gandulla era o nome de um jogador argentino de futebol que veio para o Brasil, nos anos 40, contratado pelo Vasco da Gama. Mas ele quase nunca era escalado. Ficava então assistindo a treinos e jogos, e quando a bola saia do campo, ele corria para buscá-la, devolvendo-a educadamente para os titulares em campo. Daí a origem do nome gandula para os garotos que repõem a bola nos estádios.


CONTO DO VIGÁRIO - Duas igrejas de Ouro Preto receberam, como presente, uma única imagem de determinada santa, e, para decidir qual das duas ficaria com a escultura, os vigários apelaram à decisão de um burrico. Colocaram-no entre as duas paróquias e esperaram o animalzinho caminhar até uma delas. A escolhida pelo quadrúpede ficaria com a santa. E o burrico caminhou direto para uma delas... Só que, mais tarde, descobriram que um dos vigários havia treinado o burrico, e conto do vigário passou a ser sinônimo de falcatrua e malandragem.

Quando o ser humano aprender o segredo da vida ele aprendera a ser um verdadeiro ser humano.


Um pouco sobre história

Foto de Adolf Hitler juntamente com o filósofo da linguagem Ludwig Wittgenstein, aproximadamente 1904.
Apesar de ambos não terem estudado na mesma classe e possivelmente nem serem amigos, uma foto foi registrada, entre 1903 e 1905, em que ambos aparecem. Muitas histórias se seguiram após tal encontro. Alguns afirmam que Hitler passou a odiar os judeus após ter conhecido Wittgenstein, cuja família era judia, e que ele é o judeu mencionado no livro "Mein Kampf", outros alegam que ambos foram amigos.

Estudos de envelhecimento da imagem e comparação com o acervo da família Wittgenstein conferem que ambos aparecem na mesma foto. O fato é que eles estudaram na mesma escola no início do século XX e tinham poucos dias de diferença de idade (6 dias).

É legal mesmo

"Bonitas mesmo somos quando ninguém está nos vendo. Atirada no sofá, com uma calça de ficar em casa, uma blusa faltando um botão, as pernas enroscadas uma na outra, o cabelo caindo de qualquer jeito pelo ombro, nenhuma preocupação se o batom resistiu ou não à longa passagem do dia. Um livro nas mãos, o olhar perdido dentro de tantas palavras, um ar de descoberta no rosto. Linda."

Martha Medeiros.

Soneto de Natal


por Machado de Assis

"Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço no Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto... A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
"Mudaria o Natal ou mudei eu?'"


[Texto extraído do livro "Poesias Completas - Ocidentais", 1901, pág. s/nº.]

Vamos pensar um pouco melhor sobre nosso planeta

Como sabemos nosso planeta pede socorro,pois com aquecimento global é de obrigação de todos se unirem e ajudar a melhorar o que ainda resta de nossa florestas ,lagos,mares e animais que são muito importante para ter um equilíbrio,sendo que tem muitas coisas que pode ser feitas sem sair de casa é só fazer sua parte... 

Você pode fazer a diferença

Esta charge é para pensar será que estamos agindo certo ou ainda precisamos aprender mais pois o jeito que está não a necessidade de acreditar no fim do mundo,pois isto já está ocorrendo como a destruição de florestas,poluição de mares,rios, a queima do CO2 na atmosfera terrestres ,entre outras coisas que ocorre no mundo , está charge é para nós pensarmos um pouco melhor sobre oque está ocorrendo ,pois você pode fazer a diferença...   

Eu li num livro

"Estava escrito nas entrelinhas
Que um erro pode ser consertado
E que uma pessoa não deve ser julgada apenas pelo seu passado
Foto: Perfeito!!! *-*

"Eu li num livro
Estava escrito nas entrelinhas
Que um erro pode ser consertado
E que uma pessoa não deve ser julgada apenas pelo seu passado

Eu li num livro
Que a esperança é a ultima que morre
Que o covarde é o primeiro que corre
E que um sonho as vezes é só um sonho

Estava escrito em cada linha
Que as vezes a culpa não é sua nem minha
Que uma pessoa pode até viver sozinha
Mas sempre vai precisar de alguém em seu coração

Eu li num livro
As palavras que eu gostaria de ter escrito
Porque o que é belo nem sempre é bonito
E um sussurro dito aos ouvidos
poderá soar como um grito"


André Luis Aquino
Eu li num livro
Que a esperança é a ultima que morre
Que o covarde é o primeiro que corre
E que um sonho as vezes é só um sonho

Estava escrito em cada linha
Que as vezes a culpa não é sua nem minha
Que uma pessoa pode até viver sozinha
Mas sempre vai precisar de alguém em seu coração

Eu li num livro
As palavras que eu gostaria de ter escrito
Porque o que é belo nem sempre é bonito
E um sussurro dito aos ouvidos
poderá soar como um grito"


André Luis Aquino

Vou começar a montar uma Biblioteca particular igual esta será que dou conta

Olha como vocês já sabe sou mais um apaixonado por livro e quando vi esta imagem fiquei admirado , acho que irei construir uma para mim ...É papai noel acho que quero uns livros de presente .... 

Vida Cruel


Amor… Amor
Aquela onda do mar
Amor... Amor
Aquelas estrela do mar
Tigre corre... sobe
Na arvore do pobre...
... desce na casa do rico
Deixa tuas garras no mundo
Mundo... pequeno...
Ser grande... valente
Agua para morrer...
... agua para viver
Vem apagar a tristeza
Dentro do meu ser
Com certeza...
Amor... Amor
Nao morra... sem mim
Nao se esqueça que existo
Para sobreviver...vivo por viver
Vida Cruel...
Eu esqueço com o teu olhar...
Corpo que quero...Abraçar
Sentirmos a dor de amar...
Amor infinito... que o mundo me deu
Perdi... Vivi... Sobrevivi... Sou Eu
Estou aqui... Sofri... E Amo Voçe.
Autoria Poemas do Sandro.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Chega de Saudade


Vai, minha tristeza, e diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe, numa prece, que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade, a realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas, se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver assim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim.

Vinícius de Moraes

Se você quer ser minha namorada

Ai, que linda namorada
Você poderia ser
Se quiser ser somente minha
Exactamente essa coisinha
Essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser
Você tem que me fazer um juramento
De só ter um pensamento
Ser só minha até morrer
E também de não perder esse jeitinho
De falar devagarzinho
Essas histórias de você
E de repente me fazer muito carinho
E chorar bem de mansinho
Sem ninguém saber porquê
E se mais do que minha namorada
Você quer ser minha amada
Minha amada, mas amada pra valer
Aquela amada pelo amor predestinada
Sem a qual a vida é nada
Sem a qual se quer morrer
Você tem que vir comigo
Em meu caminho
E talvez o meu caminho
Seja triste pra você
Os seus olhos têm que ser só dos meus olhos
E os seus braços o meu ninho
No silêncio de depois
E você tem que ser a estrela derradeira
Minha amiga e companheira
No infinito de nós dois.


Vinícius de Moraes

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

Vinícius de Moraes

Soneto do Amor Total


Amo-te tanto, meu amor ... não cante
O humano coração com mais verdade ...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinícius de Moraes

Tomara

Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

Vinícius de Moraes

Um dia



Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos...

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido... Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Podemos nos telefonar... conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar... meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos...

Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado... E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores... mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!!

Vinícius de Moraes

Eu não existo sem você


Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste
Por isso, meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos
Me encaminham pra você

Assim como o oceano
Só é belo com luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
Eu não existo sem você.

Vinícius de Moraes

A Felicidade


Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar

A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor

A felicidade é uma coisa boa
E tão delicada também
Tem flores e amores
De todas as cores
Tem ninhos de passarinhos
Tudo de bom ela tem
E é por ela ser assim tão delicada
Que eu trato dela sempre muito bem

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite, passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Pra que ela acorde alegre com o dia
Oferecendo beijos de amor.

Vinicius de Moraes

Pela luz dos olhos teus

Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p'ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar
Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

Vinícius de Moraes

Uma Mulher Chamada Guitarra


Vinicius de Moraes


UM DIA, casualmente, eu disse a um amigo que a guitarra, ou violão, era "a música em forma de mulher". A frase o encantou e ele a andou espalhando como se ela constituísse o que os franceses chamam um mot d'esprit. Pesa-me ponderar que ela não quer ser nada disso; é, melhor, a pura verdade dos fatos.

0 violão é não só a música (com todas as suas possibilidades orquestrais latentes) em forma de mulher, como, de todos os instrumentos musicais que se inspiram na forma feminina — viola, violino, bandolim, violoncelo, contrabaixo — o único que representa a mulher ideal: nem grande, nem pequena; de pescoço alongado, ombros redondos e suaves, cintura fina e ancas plenas; cultivada, mas sem jactância; relutante em exibir-se, a não ser pela mão daquele a quem ama; atenta e obediente ao seu amado, mas sem perda de caráter e dignidade; e, na intimidade, terna, sábia e apaixonada. Há mulheres-violino, mulheres-violoncelo e até mulheres-contrabaixo.

Mas como recusam-se a estabelecer aquela íntima relação que o violão oferece; como negam-se a se deixar cantar, preferindo tornar-se objeto de solos ou partes orquestrais; como respondem mal ao contato dos dedos para se deixar vibrar, em benefício de agentes excitantes como arcos e palhetas, serão sempre preteridas, no final, pelas mulheres-violão, que um homem pode, sempre que quer, ter carinhosamente em seus braços e com ela passar horas de maravilhoso isolamento, sem necessidade, seja de tê-la em posições pouco cristãs, como acontece com os violoncelos, seja de estar obrigatoriamente de pé diante delas, como se dá com os contrabaixos.

Mesmo uma mulher-bandolim (vale dizer: um bandolim), se não encontrar um Jacob pela frente, está roubada. Sua voz é por demais estrídula para que se a suporte além de meia hora. E é nisso que a guitarra, ou violão (vale dizer: a mulher-violão), leva todas as vantagens. Nas mãos de um Segovia, de um Barrios, de um Sanz de la Mazza, de um Bonfá, de um Baden Powell, pode brilhar tão bem em sociedade quanto um violino nas mãos de um Oistrakh ou um violoncelo nas mãos de um Casals. Enquanto que aqueles instrumentos dificilmente poderão atingir a pungência ou a bossa peculiares que um violão pode ter, quer tocado canhestramente por um Jayme Ovalle ou um Manuel Bandeira, quer "passado na cara" por um João Gilberto ou mesmo o crioulo Zé-com-Fome, da Favela do Esqueleto.

Divino, delicioso instrumento que se casa tão bem com o amor e tudo o que, nos instantes mais belos da natureza, induz ao maravilhoso abandono! E não é à toa que um dos seus mais antigos ascendentes se chama viola d'amore, como a prenunciar o doce fenômeno de tantos corações diariamente feridos pelo melodioso acento de suas cordas... Até na maneira de ser tocado — contra o peito — lembra a mulher que se aninha nos braços do seu amado e, sem dizer-lhe nada, parece suplicar com beijos e carinhos que ele a tome toda, faça-a vibrar no mais fundo de si mesma, e a ame acima de tudo, pois do contrário ela não poderá ser nunca totalmente sua.

Ponha-se num céu alto uma Lua tranqüila. Pede ela um contrabaixo? Nunca! Um violoncelo? Talvez, mas só se por trás dele houvesse um Casals. Um bandolim? Nem por sombra! Um bandolim, com seus tremolos, lhe perturbaria o luminoso êxtase. E o que pede então (direis) uma Lua tranqüila num céu alto? E eu vos responderei; um violão. Pois dentre os instrumentos musicais criados pela mão do homem, só o violão é capaz de ouvir e de entender a Lua.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

A Bailarina


Lá esta ela...Linda e bela...

A bailarina...

Que encanta...Ao bailar feito fada...

Que Encanta... Com a sua beleza... Escondida na escuridão...

Encanta pela leveza...Ao brincar na solidão...

Lá está ela...A bailarina bela...

Que linda encanta...

E baila só... Em meio a escuridão...

Lá está ela... A bela bailarina...

Poeta Urbano 

A Bailarina


Imagino o céu, então danço.
Há expressões em meu rosto,
Divinamente, nunca me canso,
Sentimento bem posto.
você vem, me balanço..
Porque lembro dessa situação?
"De deleitar em teus braços,
e no compasso da dança, saio..
..do tom, da composição dos versos,
e num demasiado passo, desmaio.."
E caio em meio ao vão,
já nem sei o que esperar..
Levanto, mas volto ao chão,
E nos olhos da multidão..
..eu, ofuscada por tanto pensar..
Aplaudem aos berros e começam a chorar..
"Passei a emoção que queria passar,
E de ti então me esqueço,
antes mesmo de me levantar."

Flávio Cardoso

Ode a Bailarina


Fecho os olhos e escuto a voz de uma doce flauta doce.
Ébrio, inebriado por perfumes de flores amarelas
Percebo que tem uma bailarina bailando ao meu redor
Está vestida de assas de borboletas
Traz um chapéu bordado
Um cachecol com cores que não imaginava existirem
Um nariz vermelho de palhaço
Um sorriso encantador, que encanta a minha dor
Seus pés não tocam ao chão
És livre, linda, liberta
O som de sua risada me envolve, esquenta, me devolve
Abro os olhos e me vejo dançando no meio do metrô
Todos do vagão me olham com indignação, reprovação
Cheguei em minha estação, tenho que voltar ao trabalho
... ainda ouço a flauta e sua risada doce.

Chris Borges

O PLEBEU E A BAILARINA


Ele a chama de menina e diz ser ela, bailarina
que dança a vida colorida, revestida de esperança
que sua rima o domina e seu sorriso, lhe fascina
do Cupido, velho amigo, pega flecha e hábil lança

Pensa que a tudo alcança e sem conversa, a domina
versejando canta amor; na contradança, a dor
vai julgando com esmero a verdade que abomina
atrás da mascara sem cor, palavreia com primor

Propagando impropérios, logo vem pisando em cima
curta mente que não sente um passado tão recente
pobre tola apaixonada; equivocada dançarina

Busca sabedoria e vê que o sonho se perdeu
naquele coração de pedra que impetra hipocrisia
a heresia de um infante que só soube, ser plebeu.

Siomara Reis Teixeira

Ó doce Bailarina, o que preciso fazer

O que preciso realizar para poder te ter?'
Recitava um boneco desengonçado,
Tão desengonçado que chegava a ser engraçado.

O espantalho olhava totalmente hipnotizado,
Para o alto da estante, onde ali parada,
Estava uma bailarina imobilizada.
'És tu de novo espantalho?
Já não te disse que não devis vir aqui?
Não posso ir contigo mesmo se houvesse um atalho...
Estou presa aqui, e eternamente vou ficar aqui'

Era sempre a mesma história...
Toda noite o engraçado espantalho,
Saía da caixa de brinquedos,
Montava um castelo com cartas de baralho,
E ia admirar a bailarina da estante.

Não havia o que fazer certo?
O espantalho estava fadado a continuar assim,
A toda noite ter a bailarina tão perto,
Mas nunca tê-la pra si no fim.

Errado,
Aquele espantalho era muito mais que atrapalhado,
Ele era inteligente e esforçado,
Mas foi só quando a presença de um clarão,
Durante a passagem da senhorita gotas de chuva,
Mostrou a seu coração,
Que a bailarina era tão infeliz,
Quanto ele por não tocá-la nem por um triz.

E o espantalho decidiu,
'Você poderia esperar por mim?
Poderia você minha flor de lis,
Esperar a volta de seu serafim?'

A bailarina achou que era mais uma das palhaçadas,
Que o bobo espantalhado fazia para lhe fazer feliz.
E então respondeu inocentemente,
'Só se você prometer que quando retornar,
Nós poderesmo ficar juntos para sempre,
Que este globo aqui não mais vai estar...'
'Eu prometo sim'
E assim iniciava-se as desventuras do espantalho.

Bruno M. Tôp

Sentimento



E a bailarina que não queria mais saber de dançar, trocou tudo que tinha para tentar amar alguém cheio de defeitos, cheio de vírgulas, poréns, alguém que nunca terminava o que começava, alguém que não gostava de pontos finais. - Confesso que particularmente também não gosto, mas quando isso permite que uma história se emende na outra, se misture na outra, é hora de começar a achá-los mais atrativos. A menina que não usava mais suas sapatilhas, dizia sempre a si mesma: “Todos merecem ser amados, independente de quantos defeitos possuam, e principalmente se não souberem amar”. De fato, ela tinha razão, mas ninguém quer entregar o coração à alguém que não saberá o que fazer, alguém que terá medo e não saberá amar-te de igual para igual… Então concluo que não seria justo. Ah menina, o mundo nunca será justo. Quem parte quer ficar, quem fica quer partir, quem já partiu não quer voltar e quem volta não quer sair. Ela se levantava, direcionava o olhar para as sapatilhas esquecidas num canto do quarto, abaixava a cabeça, e em um instante se recompunha… Antes mesmo de cair já estava novamente de pé. Abriu a janela, estava de fato um dia belíssimo, colocou sua melhor roupa, tratou de fazer-te inteira para se dar a alguém que não podia ser nem mesmo complemento. E foi, com a cara e a coragem, foi. Ela não sabia que era especial, mas sabia que podia conseguir o que queria, e que teria de passar por muitas complicações para atingir seu mais alto objetivo. Não sairia ilesa da situação, e não se preocupava com isto. Só queria mesmo poder dizer: “Eu o fiz assim”.

Paola Duarte

BAILARINA – A ESTRELA QUE VOA



Olhando a valsa no teu corpo ereto e virtual,
Com as pernas rodadas pra fora do quadril,
Os joelhos na posição dos pés, é fenomenal,
Nas direções que pulsam emoções no perfil,
Trás na missão da afabilidade o brilho facial.

Traço marcante no teu olhar de tanta alegria,
Show de alvedrio em vôos é a minha bailarina,
Transmitindo o amor em passos com simetria,
Dançando em cada partícula do ar com regalia,
O canto não para e mexe com a alma cristalina.

Haja tanto honor. É a bailarina a mais zelosa flor,
Também chora, sofre e tem como prêmio o palco,
Na magia dos pés e do corpo ela também tem dor,
Voando sem asas, sorrindo sem balizas quão floco,
Desenhando a liberdade estampada no rosto (amor).

Sobressai do límpido riso a mais bela figura dançante,
Num salto na ponta dos pés transmite a paz e ânimo,
É o coração de ouro num petit jeté de lado, é confiante.
Postura forte, elástica de amor nos tornozelos faz arrimo,
Traduzindo em pirouettes, ela gira, gira, gira é arrasante.

É a mais suntuosa expressão da paz entre todos os humanos,
Enquanto danças, imaginas o mundo sem as bestiais guerras,
Esquece de si no bailado que se eterniza nos braços da terra,
Movimentando com leveza o sopro da vida que nunca encerra,
E levas a charge de Deus com aplausos, e o teu poeta venera.

Com carinho à bela bailarina - VivianViVencci

Erasmo Shallkytton

A Bailarina


O sorriso estampado em seu rosto
esboça a leveza em seu corpo;
na ponta dos pés, graciosa.

Serena, pura, vaidosa;
seu charme firme estremece;
meu coração que queima e aquece.

Seu sorriso que marca na mente;
o beijo selado ardente;
que destrói imagens da solidão

Enquanto pisa no chão;
se solta, toca o meu coração.


Ighor Mattos Granado

A bailarina


Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.
Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé.

Não conhece nem mi nem fá
Mas inclina o corpo para cá e para lá

Não conhece nem lá nem si,
mas fecha os olhos e sorri.

Roda, roda, roda, com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Mas depois esquece todas as danças,
e também quer dormir como as outras crianças.

Cecília Meireles

Ballet Clássico


O termo Balé ou Ballet refere-se a uma modalidade de dança e à sua execução. Esta expressão provém do italiano ballare, com o sentido de ‘bailar’. Ele nasceu justamente na Itália, em pleno Renascimento. Sua origem remonta às apresentações de um estilo teatral conhecido como pantomima, no qual os atores só se expressavam através da fisionomia e de movimentos corporais, normalmente sem preparo prévio.

Os principais postulados do balé se resumem na posição ereta, na prática do en dehors – giro exterior dos membros inferiores -, no corpo vertical e na simetria. O ser humano sempre se expressou através da dança, mas o balé nasceu no fim do século XV, exatamente na cerimônia de casamento do Duque de Milão com Isabel de Ararão. Logo depois, esta arte também floresceu na França, em outra festa nupcial, desta vez celebrando a união entre Catarina de Médicis e Henrique II, em 1533. Neste momento, vários espetáculos foram importados dos italianos.

A experiência foi tão marcante para a rainha que, em 1581, ela criou o Ballet Cômico da Rainha, para uma nova aliança matrimonial, a de sua irmã. A partir de então, a França tornou-se o cenário ideal para o florescer desta dança. Neste país, em 1661, instituiu-se a Academia Real de Dança e, em 1713, foi inaugurada a Escola de Dança da Ópera. O Balé revestiu-se de uma aura nobre, uma vez que até mesmo o Rei Luiz XIV, em sua infância, chegou a cursar aulas desta dança clássica, exibindo-se diante da Corte ao completar 12 anos. Algum tempo depois, o monarca criou a Académie de Musique et de Danse, eliminada em 1780.

A partir de 1830, teve início a fase do balé romântico, com espetáculos como Giselle. Quando esta era entrou em declínio, o pólo de criação deslocou-se de Paris para São Petersburgo, na Rússia. Foi um russo, Serge Diaghilev, que inaugurou o período do balé moderno, com uma companhia própria. Neste cenário apareceram artistas que se tornariam famosos, como Pavlova, Nijinsky, entre outros. Era o impulso inicial para a geração da Escola Russa de Balé, que se disseminaria principalmente pelos EUA e pela Inglaterra. Na década de 60, consagra-se o Bolshoi de Moscou, até hoje celebrado em todo o mundo.

Os balés de repertório, muito comuns, são aqueles que se inspiram em temas musicais famosos, por isso mesmo responsáveis pelo sucesso das companhias que deles extraíram a essência necessária para a montagem de seus espetáculos, principalmente no solo europeu. Algumas destas montagens mais célebres são Coppélia, de Léo Delibes; O Pássaro de Fogo, de Igor Stravinsky; O Quebra-Nozes e O Lago dos Cisnes, ambos de Tchaikovsky.

Em nosso país, o primeiro espetáculo de balé clássico foi montado em 1813, no Rio de Janeiro, nos palcos do Real Teatro de São João, com a direção de Lacombe. Mas esta arte só floresceu no Brasil no século seguinte, com a celebração das companhias russas de Diaghilev e de Pavlova, na mesma cidade, só que agora no Teatro Municipal. Posteriormente, nasceram talentos como os de Dalal Achcar, Márcia Haydée, Tatiana Leskova, Ana Botafogo, entre outros.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A diferença foi

Entre amor e amizade,
Eu disse isso realmente ...
O amor é mais sensível
Mais seguro amizade.
O amor nos dá asas,
A amizade da terra.
O amor está no cuidado,
Compreensão da Amizade.
Amor é plantado
e amorosamente cultivada
Amizade vem face
e compartilhar a alegria ea tristeza,
torna-se uma grande e querida
parceiro.
Mas quando o amor é sincero
vem com um grande amigo,
e quando a amizade é real,
É cheio de amor e carinho.
Quando você tem um amigo
, Ou uma paixão,
ambos coexistem sentimentos
dentro do seu coração.


William Shakespeare

Perguntei a um sábio

A diferença foi
entre amor e amizade,
Eu disse isso realmente ...
O amor é mais sensível
Mais seguro amizade.
O amor nos dá asas,
A amizade da terra.
O amor está no cuidado,
Compreensão da Amizade.
Amor é plantado
e amorosamente cultivada
Amizade vem face
e compartilhar a alegria ea tristeza,
torna-se uma grande e querida
parceiro.
Mas quando o amor é sincero
vem com um grande amigo,
e quando a amizade é real,
É cheio de amor e carinho.
Quando você tem um amigo
, Ou uma paixão,
ambos coexistem sentimentos
dentro do seu coração.

William Shakespeare

~ Soneto 92 ~


Faz teu pior pra mim te afastares,
Enquanto eu viva tu és sempre meu,
Não há mais vida se tu não ficares,
Pois ela vive desse amor que é teu.

Por que hei de temer grande traição
Se tem fim minha vida com a menor;
De vida abençoada eu sou, então,
Por não estar preso ao teu cruel humor.
Tua mente inconstante não me afeta,
Minha vida é ligada à tua sorte;
Como é feliz o fato que decreta

Que sou feliz no amor, feliz na morte!
Porém que graça escapa de temer?
Podes ser falso e eu sequer saber.


William Shakespeare

~ Soneto 30 ~

Quando à corte silente do pensar
Eu convoco as lembranças do passado,
Suspiro pelo que ontem fui buscar,
Chorando o tempo já desperdiçado,

Afogo olhar em lágrima, tão rara,
Por amigos que a morte anoiteceu;
Pranteio dor que o amor já superara,
Deplorando o que desapareceu.

Posso então lastimar o erro esquecido,
E de tais penas recontar as sagas,
Chorando o já chorado e já sofrido,

Tornando a pagar contas todas pagas.
Mas, amigo, se em ti penso um momento,
Vão-se as perdas e acaba o sofrimento.

William Shakespeare

Quando penso em você me sinto flutuar

Me sinto alcançar as nuvens,
tocar as estrelas, morar no céu...

Tento apenas superar
a imensa saudade que me arrasa o coração,
mas, que vem junto com as doces lembranças do teu ser.

Lembrando dos momentos
em que juntos nosso amor se conjugava
em uma só pessoa, nós ...


É através desse tal sentimento, a saudade,
que sobrevivo quando estou longe de você.
Ela é o alimento do amor que encontra-se distante...


A delicadeza de tuas palavras
contrasta com a imensidão do teu sentimento.
Meu ciúme se abranda com tuas juras
e promessas de amor eterno.


A longa distância apenas serve para unir o nosso amor.
A saudade serve para me dar
a absoluta certeza de que ficaremos para sempre unidos...


E nesse momento de saudade,
quando penso em você,
quando tudo está machucando o meu coração
e acho que não tenho mais forças para continuar;
eis que surge tua doce presença,
com o esplendor de um anjo;
e me envolvendo como uma suave brisa aconchegante...


Tudo isso acontece porque amo e penso em você...

William Shakespeare

Eu aprendi...


...que ignorar os fatos não os altera;

Eu aprendi...
...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;

Eu aprendi...
...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;

Eu aprendi...
...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;

Eu aprendi...
...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;

Eu aprendi...
...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.

Eu aprendi...
...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;

Eu aprendi...
...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;

Eu aprendi...
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;

Eu aprendi...
...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.
(Boa noite , Amor )


William Shakespeare