Siga o Blog, nas redes sociais

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Doce amor

Ao ver seu olhar,
Penso que estou sonhando,
Pois es uma pessoa bela.

Sei que vós me olha,
Mas saibas que sou um poeta,
Que seu doce olhar me fez pensar,
E escrever mais um poema.

Seu movimento em um doce balanço,
Escrevendo essa poesia poderia virar uma rima, 
Mas queria era mesmo está sonhando em seu olhar, 
Mas tenho que trabalhar.

Não posso dançar, 
Mas posso encantar, 
Com essa poesia.

Bem que gostaria de está ao seu lado,
Mas estou ocupado.

Escrevendo,
Enlouquecendo, 
Simplesmente descrevendo um pensamento.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

SE TODOS OS DIAS FOSSEM NATAL...


Moacir Silva Papacosta

Se todos os dias fossem Natal,
Se cada família cultivasse fraternidade,
Se todos tivessem direitos iguais,
Esse mundo seria um recanto de felicidade...

Se errássemos menos e perdoássemos mais,
Se agradecêssemos as bênçãos recebidas,
Se no lugar do ódio promovêssemos a Paz,
Não teríamos tantas decepções em nossas vidas...

Se todos os dias fossem vividos em clima natalino,
Se nossas crianças fossem como o Menino Jesus,
Se nossos idosos fossem tratados com o devido carinho,
Nossa sociedade não estaria tão distanciada da luz!

Se todos os casais se amassem de verdade,
Se todos se espelhassem em Maria e José,
Se todos se despertassem para a realidade,
O Natal seria regado de menos comes e bebes e mais fé!

Olha a bela imagem da Arvore de natal em Monte Azul Paulista- SP


domingo, 14 de dezembro de 2014

Vamos falar um pouco sobre o livro "Na cor dos seus olhos" de Paulo Cezar Borges

Na cor dos seus olhos

Um pouco sobre o livro:

Na cor dos seus olhos conta a historia de um jovem rapaz de 14 anos de idade chamado Bruno, que acaba de se mudar para o outro lado da cidade de São Paulo, deixando tudo para trás, incluindo suas amizades, fazendo com que essa transição seja difícil para ele. Em um lugar novo e uma escola totalmente nova, Bruno começa uma busca por novas amizades e quem sabe novos amores, porem uma vastidão de acontecimentos ocorrem e a sua vida toma outro rumo, envolvendo outras pessoas; sendo uma delas Thalita Lopes e seu melhor amigo Erick.


Autor: Paulo Cezar Borges
Data de publicação: Setembro de 2014
Número de páginas: 179
ISBN: 978-989-51-1709-3
Coleção: Viagens na Ficção
Gênero: Ficção


Onde comprar?
http://www.livrariacultura.com.br/p/n...


Curta a Fã Page
https://www.facebook.com/vimdalama?re...

Mais informações sobre o livro e sobre o autor.
http://www.escritorborges.com.br/

sábado, 13 de dezembro de 2014

3 anos do nascimento do Blog "Amor à Literatura e à Educação"




Hoje estou podendo aqui mais uma vez agradecer a todos vocês por visitar o Blog, para mim é com imensa honra poder está comemorando mais um aniversário do blog. 

Nesses 3 anos de blog tivemos 84 países diferentes visitando e vendo as postagens.
Muito obrigado por estarem mais um ano acompanhando as postagens do blog.


Que possamos assim comemorar mais um ano no próximo em 2015....

Obrigado a todos que visitam o Blog Amor à Literatura e à Educação....

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Estátua de Tom Jobim em Ipanema




Como vocês podem ver nas fotos a primeira é a estátua de Tom Jobim já na segunda foto  foi aonde se baseou para construção da estátua de Tom Jobim.

 A segunda foto foi tirada na Inauguração de Brasília aonde tirou ao lado do grande poeta e musico Vinicius de Moraes.


domingo, 7 de dezembro de 2014

Silvestre e o Idioma


Mia Couto

Silvestre quer saber
porque razão eu estrago o português
escrevendo palavras que nem há.

Não é a pessoa que escolhe a palavra.
É o inverso.
Isso eu podia ter respondido.

Mas não.
O tudo que disse foi:
é um crime passional, Silvestre.

É que eu amo tanto a Vida
que ela não tem
cabimento em nenhum idioma.

Silvestre sorriu.
Afinal, também ele já cometera
o idêntico crime:
todas as mulheres que amara
ele as rebaptizara, vezes sem fim.

Amor se parece com a Vida:
ambos nascem na sede da palavra,
ambos morrem na palavra bebida.

Mia Couto, Idades Cidades Divindades, Lisboa: Caminho, 2007.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Doce mel de sua boca

Olha que moça tão bonita,
Olha que moça tão elegante,
Olha que moça tão bela.

Que deixa qualquer homem apaixonado,
Que deixa qualquer homem admirado,
Em ver uma moça tão bela.

Seus olhos são a visão do paraíso,
Seus lábios são o doce mel, 
Seu jeito me cativas.

Querias que estivesse aqui comigo,
Querias que estivesse abraçado comigo,
Querias que estivesse me beijando.

Querias que fosse minha,
Mas como conseguirei conquistar alguém tão encantadora,
Que só seu simples olhar diz tudo que preciso saber,
Você poderia me dizer ?


O Poeta da Madrugada 

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

A Hora da Poesia recitando o Poema "Alegro-me" do Poeta Moacir Silva Papacosta




Poema recitado no vídeo:


ALEGRO-ME Moacir Silva Papacosta
Alegro-me quando teus olhos repousam nos meus, Quando sentas em meu colo pra me falar de amor, Quando meus lábios tocam suavemente nos teus, Quando me chamas para ver a mais exótica flor...
Alegro-me quando tu me abraças com tanto carinho, Quando tuas mãos me tocam fazendo-me levitar, Quando teu corpo faz do meu o mais perfeito ninho, Quando te tenho antes de dormir e ao me levantar...
Alegro-me pela felicidade que só encontrei em ti, Pela cumplicidade que fez esse sentimento robustecer, Pela saudade que tu e mais ninguém me faz sentir, Pelos momentos que vivi e pelos que ainda sonho viver...
Alegro-me por ser o teu Homem e teu menino, Por ser o fogo brando a aquecer o teu interior, Alegro-me por encontrar a mulher do meu destino, Alegro-me ter realizado o maior sonho de um sonhador!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

DOCE ENCONTRO

Moacir Silva Papacosta


Não vejo a hora de realizar um velho sonho...
Em algum lugar deste mundo fecharemos as portas do tempo...
Abriremos nossos corações para vivermos um grande amor...
Não vamos falar de passado, nem do que é certo ou errado..
Pois, naquele momento, só o presente nos interessará...
Quero entregar-lhe o melhor de mim e colher a essência do seu ser...
Se um dia for pouco, teremos uma vida toda para complementarmos nossos anseios...

Para curtirmos a plenitude de nossa felicidade...

Não economizaremos carinhos...

Mesclaremos nossas fantasias aos nossos desejos...
Dar-lhe-ei mil abraços, mas em contrapartida dar-me-á mil beijos...
Nossos corpos se unirão para a dança da sensualidade...
Escreveremos nossa história de amor em versos e prosas,
Teremos o bom vinho e um ramalhete de rosas vermelhas...
Viveremos momentos inesquecíveis, de cumplicidade absoluta...
Que nem o tempo, por mais que queira, conseguirá apagá-los de nossas mentes...

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Poeta, o Lápis e o Papel


Poeta estava ali parado,
Poeta estava ali observando,
Poeta estava ali pensativo,
Poeta estava ali pensando.

Quando então viu o lápis,
Quando então viu a lapiseira,
Quando então viu a caneta.

Nisso ao lado dos três encontrava-se,
Um caderno velho com folhas em branco,
Parecendo um arquiteto começou a escrever,
Foi colocando palavra por palavra dando uma nova forma.

Para assim em cada palavra,
Uma nova forma vai surgindo,
Cada palavra carregando um sentido diferente.

Assim com a mistura de sentidos o poema vai surgindo,
Com ajuda do lápis,
O papel vai sendo escrito,
Um novo poema vai nascendo,
E o Poeta cumprindo seu papel ....

O Poeta da Madrugada